24 de fevereiro de 2012

Roseta de papel utilizando guilhotina


É sempre uma boa economizar uma graninha, né???

Pois bem, eu estava organizando meus cacarecos dia desses e percebi que a minha guilhotina (uma das aquisições mais recentes que fiz) tinha uma linha guia que servia perfeitamente para o trabalho de vincar papel.

Testei e vi que dava super certo! É claro que minha ferramenta da Martha Stewart feita pra isso é melhor pra usar, mas quem está esbanjando grana pra comprar uma dessas? (ok, eu também não poderia esbanjar, mas tive ajuda para conseguir colocar as mãozinhas na minha).

Então minha dica de hoje é essa: Podemos sim, com criatividade, dar mais de um uso para os materiais de scrap, como é o caso dessa guilhotina (que não pode ser a de facão).

Para mostrar como utilizar a guilhotina desse novo jeito, ensino a fazer a roseta. Também dou a ideia de como deixá-la mais bonitinha enfeitando a borda do papel!

Espero que vocês gostem!




Materiais:


 Basta clicar nas figuras para acessar o link dos produtos nos sites que os revendem.



Os materiais indicados na Kalunga, Casa da Arte e ComprArtesanato foram comprados nessas lojas.
Os produtos da Dina Armarinhos não foram encontrados nas lojas em que comprei de fato os materiais. Por conta da organização do site e dos preços da Dina Armarinhos, eu coloco os links da loja virtual.
O site estadunidense simonsaysstamp.com entrega tudo direitinho e são atenciosos.

Esta é uma publicação do Gaborin Gaboriela. Se você leu em qualquer outro lugar sem os créditos, ele foi surrupiado sem autorização! Avise-me!

19 de fevereiro de 2012

Minha [péssima] experiência com a Glossy Box


Tudo começou na tarde do dia 06/09/2011, enquanto eu fazia a unha na sala: Em uma reportagem do Mundo S/A da Globo News, vi uma reportagem (que não consigo encontrar o link do vídeo) sobre uma empresa que já fazia sucesso mundo afora e que estava chamando a atenção no Brasil: A Glossy Box.

A Glossy Box, explicavam eles, era uma empresa que vendia caixas com miniaturas e alguns produtos em tamanho real das marcas que estariam despontando no mercado ou com lançamentos, para que as consumidoras mais antenadas pudessem experimentá-los em primeira mão. Achei a proposta muito boa, afinal, quem não quer ser a primeirona a ter uma cor de batom baphonica ou um rímel mega legal? Além disso, as empresas teriam um feedback melhor de seus produtos, uma vez que as consumidoras poderiam opinar mais rapidamente, dando assim, mais tempo de adequar produtos, marketing, etc.

Sabe um jogo de ganha-ganha, então, era isso que parecia.

Não perdi meu tempo, entrei no site e fiz meu cadastro. O site estava instável, mas imaginei que a causa fosse o grande número de acessos por conta da reportagem. De qualquer forma, consegui fazer a minha assinatura.

E eu estava ansiosa, viu???? Mas consegui me controlar e esperar a data prevista. A caixa não veio. Daí, percebi que a empresa cresceu monstruosamente e que não teve estrutura para comportar esse crescimento. Esperei mais um tempo e nada da caixa. Daí resolvi ligar lá em meados de novembro (e os débitos em meu cartão de crédito acontecendo), mas o telefone só chamava. Até que perto do final do mês, consegui ser atendida e cobrar minha caixa de outubro. A atendente, sem muita vontade, disse que os problemas de entrega já estavam sendo resolvidos e a caixa de outubro chegaria em novembro (duas caixas chegariam).

Quando recebi o código de rastreamento, percebi um erro no site dos Correios e liguei lá. Fui informada que o carteiro havia sido assaltado e que eu deveria entrar em contato com Glossy para avisar o ocorrido. Dessa maneira, minha caixa seria reenviada e a Glossy também receberia o reembolso (foi isso que a atendente dos Correios me disse). Liguei na Glossy Box e a atendente prometeu o mundo e também prometeu me mandar as duas caixas novamente. Fiquei aguardando toda contente, afinal, nem estava sendo difícil resolver o problema. E eu esperei.... Quando vi que nada seria resolvido, mandei e-mail explicando tooooda a história. Nem se deram ao trabalho de me responder.

Fui então para a página deles no Facebook. Nesse momento, perdi meu chão: enxurradas de reclamações, uma mais cabeluda que a outra! Falta de respeito com as consumidoras, cobranças duplicadas, caixas que não chegavam, venda de amostras grátis... O inferno criado por Dante era mais agradável do que o que eu estava vendo.

Comecei a ficar preocupada, uma vez que a empresa Glossy Box estava longe de parecer idônea! Insisti em mandar e-mail e olha a resposta que recebi:

Bacana, né? Erro de português e descaso! 

Chocante, né? Quando recebi isso, empalideci! Que atendimento horroroso!
Liguei no Procon e lá eles tiraram todas as minhas dúvidas e deixaram claro que a empresa estava agindo de má fé, que se eles contrataram os Correios, eles deveriam se acertar por conta do roubo e eu não poderia ser onerada por isso!

Me acalmei e entrei no Facebook para reclamar as duas caixas e perguntar se realmente era essa a conduta da empresa: tratar as clientes como otárias. Não passou meia hora e uma tal de Denise, que se apresentou como gerente de relacionamento ou marketing, sei lá, me ligou, pedindo mil desculpas e prometendo as 2 caixas. Não acreditei muito, mas aceitei.

Daí chegou a caixa de dezembro. Uns dias depois, chegou a caixa de outubro e nada da de novembro.  Não fiquei nada contente com os conteúdos. Afinal, pra que eu iria utilizar tanto protetor solar? Fora que, olhando as notas fiscais, percebi que eles cobram sim pelas amostras grátis. Cobram valores pífios, mas cobram. Portanto, eles VENDEM amostras GRÁTIS!!! Quando fiz meu cadastro, lá falava que eles enviariam miniaturas (mas depois eles mudaram o texto do site na surdina falando que poderiam enviar amostras, saca?)
Fora a caixa de Minesol FPS 70  que é full-size (na parte inferior da foto), recebi 7 amostras GRÁTIS de protetor solar. A da Eucerin, mal dá pra passar no rosto todo, de tão pouco que tem na amostra. Como é que vai dar pra testar?

Tentei ligar e mandar e-mail: falava com um e nada, falava com outro e nada... Daí, me cobraram a caixa de janeiro. Putz. Fiquei louca da vida. Já antevi a caca acontecer. Quando chegou a caixa de janeiro, mais uma decepção com os produtos: mais amostras grátis de protetor solar, um creme em spray e óleo com arnica (oi?).
Pelo menos dá pra testar....

Eu já estava tão louca da vida que já estava com todos os e-mails reunidos, pronta para entrar em contato com o Procon e resolver de uma vez por todas a querela. Mas daí resolvi reclamar mais uma vez no Facebook: Com um mar de reclamações sobre a entrega da caixa de janeiro e eu reclamando da de novembro, me senti uma pata. Um tempinho depois, recebi a ligação de uma tal de Vanessa, que prometeu a caixa atrasada. Eu disse que não acreditava mais na palavra da Glossy Box, que estava com toda a documentação pronta para acionar a empresa no Procon e que eu queria meu cancelamento imediato. A Vanessa tentou mostrar que ‘puxa, sério que você vai cancelar?’, mas nem colou comigo, eu estava espumando de raiva.

Minha assinatura foi mesmo cancelada. No mesmo dia. Espero não ter nenhum débito a mais, senão, vou com tudo no Procon e vou pedir indenização.

Hoje chegou a caixa de novembro. Veio um produto bacana. Mas nada emocionante. O melhor é que estou livre dessa roubada monstruosa. L-I-V-R-E.

Fuja da empresa. MESMO! Não vale a pena passar nervoso por conta de amostras grátis. Com o valor pago, vou a uma loja e compro um produto que já sei que gosto e que será bom pra mim.

Decepção Glossy Box, decepção.

Produtos em tamanho real: A base veio na cor certa, o batom é um marrom estranho, o protetor solar foi bom pra minha mãe e o creme é bem melequento, mas bom pro pé! E olha que eu ainda tive sorte, pois nas minhas caixas sempre vieram produtos em tamanho real. Muita menina nem isso teve!

Esse sabonete para o rosto é encontrado facilmente em qualquer farmácia. Novidade não é, né? E mesmo que fosse, como testar se é bom com uma amostra grátis de 5ml?


Esta é uma publicação do Gaborin Gaboriela. Se você leu em qualquer outro lugar sem os créditos, ele foi surrupiado sem autorização! Avise-me!

12 de fevereiro de 2012

Meu Scraproom


Ou seria scrap-micro-place-room????

Algumas amigas imaginam que meu espaço para fazer scrap deve ser enorme, né?

Então, ele é minúsculo!

Quando planejamos nosso palácio, eu não sabia nem o que era scrapbook! Só projetamos um escritório para nossos livros, videogames e bancadas para computadores. Daí viciei e tive que dar um jeitinho.

Meu espaço de scrap é bem pequeno mesmo, fica tudo embaixo da minha mesa (com exceção da minha base de corte, que mora embaixo do meu teclado e da minha impressora, que mora na estante de cima!) e eu mal tenho onde colocar as pernas. É um pouco desconfortável? Sim, com certeza, mas é tão bom fazer scrap que nem ligo!

Se eu tivesse mais espaço, é lógico que ficaria mais feliz! Mas por enquanto, o que tenho no palácio é ótimo! Só não é ótimo quando espalho tudo pelo escritório e pra chegar até o computador do maridão, temos que vencer uma pista de obstáculos! Os amigos que conhecem o palácio já devem imaginar como fica! J





Esta é uma publicação do Gaborin Gaboriela. Se você leu em qualquer outro lugar sem os créditos, ele foi surrupiado sem autorização! Avise-me!

7 de fevereiro de 2012

Reciclagem - Desafio Colorê


Olá meus amôures!

Hoje não tem vídeo! Resolvi que iria participar de um desafio da Colorê!! A explicação do desafio está na imagem abaixo!


Bom, como a proposta principal era usar uma base diferente para o trabalho, fugindo do lugar comum, apostei que a reciclagem seria a melhor saída! 

Além disso, eu precisava pensar em algo que coubesse em meu álbum, uma vez que não gosto de coisas de papel penduradas pela casa! (quando o amor sofre com rinite, fazemos de tudo para nada acumular pó, não é mesmo???)

Por isso, separei 3 sacolinhas plásticas (das muitas que ainda acumulo aqui em casa) e utilizando essa técnica muito bem explicada nesse site, fiz a minha base do LO de plástico (fugindo do papel) reutilizando as minhas sacolinhas, que seriam jogadas no lixo!!! Não é jóia?????

Olha só como fica o plástico depois de passado à ferro:

Depois que eu fundi ou soldei, sei lá, o plástico das sacolinhas, aparei as rebarbas e deixei a base com 30x30 cm.

Bom, pra completar a ideia, peguei um monte de retalhos de papel de scrap já furados (e que em geral vão para o lixo) e fui aplicando, sem muita regra, tentando apenas dar harmonia pro trabalho. Coloquei algumas árvores que fiz a partir de furadores e, por último, apliquei um pedaço velho de chipboard que rolava de um lado para o outro aqui nas minhas coisas.



A foto é da minha viagem para a cidade de Bonito, lugar maravilhoso, onde a ordem geral é preservação e turismo sustentável! Tudo encaixou como uma engrenagem perfeitinha!

Os detalhes:






Espero que gostem!



Esta é uma publicação do Gaborin Gaboriela. Se você leu em qualquer outro lugar sem os créditos, ele foi surrupiado sem autorização! Avise-me!