24 de junho de 2012

Pixie


Faz alguns dias (na verdade meses), eu estava pensando em ter um bichinho. Todo dia que eu entrava em sites de bichos e via os animais eu pirava. Em dias mais emotivos eu chorava litros. Ir pra casa da minha mãe e brincar com os felpudos era uma delicia, toda vez.
Um dia, mostrando fotos de bichinhos pro Ju, ele virou e disse que eu estava aguada pra ter um deles aqui, uma vez que eu só falava disso. Não tive como discordar. Era verdade, mas eu não estava fazendo de propósito, sério!
Conversamos seriamente sobre o fato de adotar um bichano, por morarmos em apartamento, termos espaços reduzidos e não termos varandinha (e eu ter muita vontade de ter um gato), pensamos nessa possibilidade!
Hoje, depois que fomos assistir nossa sobrinha dançar quadrilha na escola, fomos até a Cobasi comprar comida pros peixes. Chegando lá, no primeiro corredor que entramos, tinha um carrinho com três filhotes de gato: duas fêmeas e um macho. Uma das fêmeas só me olhava, o macho era de um cinza maravilhoso e a outra fêmea era bem mais calma e tinha o padrão de pelagem da Estopa. O casal que eram os dono nos viram olhando e disseram que eles estavam para adoção. Quase chorei. Disse que eu iria pensar, afinal, eu sou casada com um homem maravilhoso e a opinião dele é ultra importante. Eu só teria um gato se ele concordasse. E ele concordou. Daí eu chorei (não histérica como a Chiquinha, mas meu olho mareou a ponto de rolar umas lágrimas gordas).
Pois bem, conversamos com o casal, o nome da antiga humana é Regina. Ela disse que iria ficar com os três filhotes por que ela não os daria para qualquer um (ela ficou mal impressionada com um local que possivelmente os adotaria), mas dai ela viu nosso interesse e disse que se quiséssemos adotar, que poderíamos escolher. Sei lá, foi amor à primeira vista, peguei a que ficava me olhando. Parecia que ela havia me escolhido para ser a nova humana dela. Quando eu a peguei no colo, rapidamente ela dormiu! E no colo do Ju então, ficou toda aconchegada! Nos despedimos do casal (que provavelmente ficará com os outros dois) e fomos comprar as coisas da nossa bichana!
Nos divertimos escolhendo o que tinha de mais colorido e lindo: casinha, arranhador, potinhos bebedouro, comidas, caixa de areia, erva de gato, e 1 brinquedinho (eu sabia que ela iria se interessar muito pouco por isso). Enquanto íamos e vínhamos pelos corredores da loja (e compramos a ração dos peixes), muita gente amorosa e simpática nos parava pra brincar com a filhota e nos recomendar um ou outro produto! Adoramos, por que na época que eu tive gatos, não tinha 1/3 das coisas que existem hoje!
Nesse tempo todo, ficávamos nos questionando como chamar a pequena. Recebemos várias sugestões, pensamos em nomes bacanas como Panqueca ou Tandera, mas ainda parecia que não estava encaixando.  Até que quando estávamos chegando em casa, me lembrei que na época do colegial, quando eu lia o caderno de informática semanalmente, tinha uma tirinha chamada PC & Pixel. Achei que encaixava tanto com ela, mas daí o Ju contribuiu com seus 2 centavos e disse, com sabedoria, que Pixie era mais delicado e combinava com ela. Topei! Pixie se encaixava perfeitamente em nossa piquininha!!!
Por isso, apresento a Pixie, o novo membro de nossa família.










Esta é uma publicação do Gaborin Gaboriela. Se você leu em qualquer outro lugar sem os créditos, ele foi surrupiado sem autorização! Avise-me!

Um comentário:

Opinem, desabafem, reclamem, etc... Mas vamos ser finos, ok?
Comentário deselegante, agressivo ou que não traga nada de bom aos leitores não será aprovado!
Se a sua opinião for contrária à minha, terei prazer em publicar, mas desde que você use bons argumentos e não ataque ninguém, direta ou indiretamente.
Beijinhos na alma!
Gabi